domingo, 18 de novembro de 2012

Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver - 1967

Sinopse: O coveiro Zé do Caixão, obcecado pela ideia de gerar o filho perfeito, um ser superior livre de dogmas religiosos ou códigos sociais e que age apenas pelo instinto, rapta diversas mulheres e as submete a brutais torturas. Quem sobreviver estará apta a conceber seu filho. Ele descobre, porém, que entre suas vítimas fatais estava uma mulher grávida. Corroído pela culpa, Zé vai aos poucos enlouquecendo e se tornando cada vez mais violento e imprevisível.

Direção: José Mojica Marins

Elenco: José Mojica Marins
Tina Wohlers
Nadia Freitas
Jose Lobo





Download:

OBS: Haja visto que os torrents contam com poucos seeds, disponilizo aqui o máximo de opções possíveis. Para todos os efeitos, o filme está disponível em DVD no mercado brasileiro a preço acessível, então deixem de ser criminosos e comprem logo.

Opção 1:

Torrent (AVI, 698 Mb):

Links alternativos:
Opção 2:

Torrent do filme com legendas em inglês embutidas (AVI, 634 Mb):

Comentário:


Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver” é, sem a menor sombra de sarcasmo, a obra-prima de José Mojica Marins. A continuação de “À Meia-Noite Levarei Sua Alma” segue o esquema da continuação que é quase um remake de seu predecessor, só que maior em tudo. E é um dos únicos filmes em que isso efetivamente funciona. Se antes Zé do Caixão era um simples serial killer, agora ele age movido por firmes convicções ideológicas e filosóficas. Se antes agia sozinho, agora conta com um capanga corcunda e deformado no melhor estilo Igor do Dr. Frankenstein. E se antes seu inimigo era sua própria loucura, aqui ele enfrenta, além disso, oponentes de peso: grandes produtores agropecuaristas conservadores, a Igreja e, praticamente, todas as instituições tradicionais do Brasil. E tudo isso superando (ainda que não tanto) a tosqueira e precariedade do filme anterior.

Tende-se a comparar Mojica com outros cineastas de seu tempo, como Mario Bava na Itália ou Roger Corman nos EUA. Mas há algo que o distancia de todos eles: se Corman fazia filmes de horror em um país cuja indústria cinematográfica sempre viu no gênero seu pilar central de sustentação, e se Bava fazia experimentos visuais em uma Itália propícia à isso, Mojica fazia seu horror e suas experimentações, que não devem nada à Bava, em um país que mal e porcamente se dedicava ao cinema de um modo geral, que dirá de terror. Um exemplo do pioneirismo visual de Mojica está na sequência em Zé do Caixão sonha ser arrastado ao inferno (feito de gelo, diga-se): na única cena colorida do filme, Mojica usa e abusa de cores saturadas, sons e maquiagem, tudo para compor uma atmosfera de puro desespero e violência.
Por essas e outras, “Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver” foi uma das primeiras vítimas da ditadura militar no Brasil, que exigiu que Mojica acrescentasse um final bizarro e redentor para o personagem de Zé do Caixão. Final esse que, apesar da claramente destoante, nem chega a comprometer a obra como um todo (e que viria a ser “corrigido” no último filme de Mojica, “A Encarnação do Demônio”, de 2008). O fato é que o personagem de Zé do Caixão, em todo o seu ateísmo militante, antes de ser uma crítica subversiva de Mojica à Igreja, é o oposto: Zé é um psicopata justamente por ser ateu. O que não diminui em nada o filme. Zé do Caixão não é um panfleto político, é apenas o vilão de um filme de terror. O que mostra, mais uma vez, como toda censura é burra e não consegue interpretar o óbvio: Mojica, ao mostrar um assassino ateu, estava validando os propósitos da ditadura, ao contrário de afornta-la. Seja como for, por sua preocupação visual, por sua produção corajosa, por seu excelente roteiro e por sua direção vigorosa, “Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver” é um dos grandes clássicos, não só do cinema brasileiro, mas de todo o cinema de horror.

3 comentários:

  1. Cara... Nunca li uma crítica tão completa, tão justa, tão inteligente e tão perfeita à obra do Mojica.Parabéns Pedro Rech!

    ResponderExcluir
  2. Muitíssimo obrigado, comentarista convenientemente anônimo que não sou eu.

    ResponderExcluir
  3. Excelente resenha desta magnífica obra-prima do cinema de horror mundial!!!

    ResponderExcluir

comente naquela caixinha do lado, é mais legal.